Theravada na Tailândia


Cerca de 95% da população do país é budista segundo a tradição Theravada, ainda que o Budismo no país integre algumas crenças populares, tais como a adoração de antepassados ou mesmo aspectos de religiões chinesas, devido à circunstância de muitos tailandeses terem origem chinesa.


INFLUÊNCIAS
O percurso do Budismo na Tailândia consubstancia três grandes influências: ainda que apresente variações locais e regionais com algum significado, a característica mais notória e a influência mais importante do Budismo tailandês é sem dúvida a da Escola Theravada do Sri Lanka. Por tradição, o Pali é a língua religiosa, sendo também essa a língua usada nas escrituras e na liturgia religiosa, apesar dessa língua antiga ser hoje pouco entendida.
Outra influência foi a de algumas crenças hindus, chegada a partir do Cambodja, que se veio a repercutir na elaboração de algumas leis reguladoras da organização tanto da sociedade como da religião. Desse modo, alguns rituais da moderna Tailândia são explicitamente identificados ou como tendo uma origem hindu ou como sendo derivados de práticas e influências hindus, em particular altares ao deus Brahma que podem hoje em dia ser observadas em instituições e mesmo em cerimónias religiosas budistas.
Finalmente, a terceira influência a destacar é a das práticas religiosas populares disseminadas pelo interior rural do país, as quais pretendem atrair os favores dos espíritos locais.
Por outro lado, o poder espiritual, que deriva da observância dos preceitos e rituais budistas, é por vezes utilizado na tentativa de acalmar os espíritos da natureza locais,o que não se enquadra na prática budista tradicional. Além disso, muitas das restrições que os monges do interior rural observam, não resultam do código de disciplina tradicional (Vinaya), mas antes de tabus relacionados com a prática da magia popular.
Do mesmo modo, o recurso à Astrologia, à Numerologia, bem como à utilização de talismãs e amuletos figuram de forma clara na prática budista do tailandês médio, o que, embora não sendo proscrito pelos textos budistas, não deixa de ser, pelo menos, marginalizado.
Para além destas influências principais, há outras de menor expressão, como a que resultou do contacto com o Budismo Mahayana.

Na Tailândia é generalizadamente respeitado, tanto no meio rural como no meio urbano, um dos aspectos centrais da mensagem de Buda para os monges e que ainda hoje é preservado nos países da tradição Theravada – o carácter mendicante do monasticismo – ao qual é dada grande relevância por fortalecer os laços entre as comunidades monástica e laica, esta cultivando a qualidade da dádiva, da generosidade, ao suprir as necessidades materiais daquela, e esta última, em troca, inspirando e orientando a vida espiritual dos laicos, contribuindo ambas, desse modo, para a perduração da pureza do ensinamento.

A ordenação temporária é tradicional na Tailândia. A maioria dos jovens é ordenada pelo período de uma “estação das chuvas” (vassa). Aqueles que permanecem monges para lá da sua primeira vassa, fazem-no em regra por um período que varia entre um e três anos. Depois desse período, a grande maioria retorna à vida laica. Os jovens que receberam a ordenação temporária são socialmente bem-vistos e tidos como melhores parceiros para casamento, constituindo a ordenação, em regra, um pré-requisito para acesso a cargos elevados na hierarquia das aldeias.

Por sua vez, os monges que não retornam à vida laica, especializam-se ou na via escolástica seguindo para centros regionais de educação onde irão aprender a língua Pali e as escrituras, podendo depois prosseguir até às universidades e subir na hierarquia eclesiástica, ou então especializam-se na via da meditação onde procuram um professor de meditação conhecido, sob cuja orientação irão estudar e praticar durante anos. Os monges de meditação são particularmente venerados por possuírem grande virtude e, por vezes, por serem potenciais fontes de poderes sobrenaturais.


PRINCIPAIS MESTRES MODERNOS
Ajahn Mun, Ajahn Buddhadasa, Ajahn Naeb, Ajahn Chaa,
Ajahn Maha Bowa, Ajahn Dhammadharo, Ajahn Jumnien,
Ajahn Thate Desaransi, Ajahn Plien.
Disseminados em centros próprios por todo o país e nas condições mais variadas, estes mestres da Tradição Theravada são exemplos vivos do Dhamma e do altruísmo,ao terem dedicado as suas energias ao bem-estar e progresso espiritual de muitos.


CENTROS DE PRÁTICA ACTUAIS
(a utilidade desta informação depende da sua actualidade. Se souber de dados incorrectos ou omissos, agradecemos que o comunique à ABT, para que outros possam também beneficiar desta partilha e solidariedade)

Em Bangcoque visite o International Buddhist Meditation Centre (I.B.M.C.), para informações sobre Budismo, meditação budista e sobre os melhores professores de meditação na zona de Bangcoque.
Contacte Vorasak e Helen Jandamit, c/o T.E.L.S., 26/9 Chompol Lane, Lardprao Lane 15, BKK 10900;
Tel.: 511-0439 ou 511-3549.

BANGCOQUE
WAT MAHA THAT
— Direcção: Tha – Phrachan, BKK 10200. Tel.: (02)-222-6011 (Secção 5); (02)-222-4981;(02)-222-2835 (Dhamma Vicaya Hall).
— Localização: situado a Oeste de Sanam Luang e a Sul do National Museum e da Universidade Thammasat. As principais entradas localizam-se no lado Oeste, a partir da Maharaj Rd.
— Acesso: Muitos buses citadinos passam junto.
— Dimensão: 300-400 monges; 30-50 monges na Secção 5; 50-70 noviços (10 na Secção 5);10-12 monjas (8 na Secção 5); 500 laicos (30-40 na Secção5).
— Alojamento: Monges, noviços e alguns laicos têm quartos individuais. Leigos ficam normalmente em dormitórios (tendem a estar muito cheios). Banho é com jarros ou duches. Água corrente e electricidade. Retretes estilo thai.
— Alimentação: Uma refeição e meia por dia. Boa qualidade e variedade. Peq-almoço simples, cedo pela manhã, e refeição principal no final da manhã. Bebidas à tarde. Meditadores podem arranjar comida, incl. veg., nas lojas circundantes.
— Meditação: Tem lugar na Secção 5. Visitantes podem associar-se na meditação de grupo sentada ou a andar. Técnica de Mahasi Sayadaw. Entrevistas diárias de acompanhamento da meditação.
— Rotina diária: Na secção 5: 6h30, peq-alm.; 7-11h00, canto matinal (30min) e meditação de grupo sentada e andante; 11h30, almoço; 13-16h00, medit. em grupo sentada e andante; 16h00, bebidas; 18-19/20h00, canto da tarde (1hora) e medit. grupo sentada e andante.
Os laicos respeitam os 8 preceitos e vestem normalmente de branco.
— Ordenação: Possível. Falar com o chefe da Secção 5. Dão preferência a ordenações longas(1-2 anos ou mais).
— Reservas em avanço: Não necessário.
— NOTA: Do outro lado da rua, no lado Norte do wat, a livraria Mahachulalongkorn Buddhist University Boohstore tem livros sobre Budismo em inglês. Há mais livrarias budistas na mesma rua. O International Buddhist Meditation Centre (IMBC) organiza palestras regulares no Dhamma Vicaya Hall. Contactar os fundadores:
Vorasak & Helen Jandamit,
c/o T.E.L.S., 26/9 Chompol Lane, Lardprao Lane, BKK 10900 – Tel.: 5110439/3549.


WAT BOVORNIVES VIHARA
— Direcção: 248, Phra Sumen Road, Banglampoo, BKK 10200. Tel.: (02) 280-0869 ou 281-2831-3
— Localização: 2 blocos a Norte do Democracy Monument.
— Acesso: Muitos buses atravessam a área.
— Dimensão: 100-160 monges; 20-25 noviços; laicos, só jovens estudantes e trabalhadores.
— Alojamento: 100-160 monges; normalmente não disponível para leigos
— Prof.: Sua Santidade Somdet Phra Nyanasamvara, o Supremo Patriarca (Sangharaja) da Tailândia.
— Meditação: Não há ensino formal nem instruções de meditação. É um centro importante do Budismo tailandês. Usualmente, alguns monges estrangeiros em residência podem responder a perguntas.
— Rotina diária: Habitualmente não disponível ou recomendada para meditadores.
— Ordenação: Estrangeiros ordenam-se aqui ocasionalmente. Contactar a secretaria para mais detalhes.
— NOTA: Em Gana Soong (Secção Internacional), há uma pequena livraria inglesa. Em frente ao Wat (outro lado da rua Phra Sumen), a Mahamakut Bookstore tem muitos livros budistas em inglês.


WAT PAK NAM
— Direcção: Therdthai Rd., Amper Phasicharoen, BKK 10160.Tel.:(02)467-0811
— Localização: situado a Oeste, do lado de lá do rio Chao Phraya, em Thonbury.
— Acesso: Buses nº 4, 9, 103. Há barcos (salpicos de água, não propriamente limpa) para o Wat a partir do cais de Rajinee (rachini) e de Saphan Phut, a Norte da Memorial Bridge, no lado Este de Chao Phraya.
— Dimensão: 200-400 monges (uma das maiores populações durante a “estação das chuvas”; 80-90 noviços; 200-300 monjas.
— Prof.: Chao Khun Bhawana Kosol Thera (thai), fala inglês e japonês;
Ven. P. K. Bhavananuwat (thai), fala um pouco de inglês.
— Alojamento: para monges é geralmente em quarto individual, alguns com WC. Monjas em quartos partilhados. Laicos poderão ficar excepto na “estação das chuvas”.
— Alimentação: A comida, boa qualidade e variedade, é oferecida no templo, ao nascer do dia e às 11h00. Monges vão em pindapata (mendicância) se o desejarem.
— Meditação: Técnica de desenvolvimento da concentração a partir do foco num ponto do centro do abdómen, 2cm acima do umbigo, tido como o assento da consciência, e com posterior surgimento de esferas luminosas ou formas aparecendo em sucessão. Um professor qualificado é importante nesta prática (por vezes chamada Dhammakaya), popularizada pelo já falecido Ven. Chao Khun Mongkol-Thepmuni. Entrevistas individuais com o professor residente (fala inglês) se pretendido.
— Rotina diária: Meditadores podem praticar individualmente ou em sessões de grupo.
— Ordenação: Os homens ficam um mínimo de um mês como laicos, depois três meses como noviço antes da ordenação completa como monge.
— Reservas: Não necessário.


WAT PHRA DHAMMAKAYA
— Direcção: Khlong Sam, Khlong Luang, Pathun Thani 12120. Tel.: (02) 516-9003 a 9.
— Localização: Situa-se a 40km a Norte de BKK na província vizinha de Pathun Thani. Aos domingos e feriados, os melhores dias para visitar, buses gratuitos partem próximo do “Victory Monument” em BKK, entre 7 e 8h00 da manhã (buses sem indicações em inglês, por isso siga as pessoas trajando de branco). na volta, buses partem do wat entre 15h30 e 17-18h00.
— Dimensão: 130-200 monges; 200 noviços, 90 laicos residentes, 160 monjas e laicas; 8000 visitantes no 1º domingo do mês; 40000 visitantes em feriados budistas.
— Prof.: Ven. Dhammjayo Bhikkhu, monge-chefe; Ven. Dattajeevo Bhikkhu, vice-chefe, fala algum inglês. Outros monges professores falam bem inglês.
— Alojamento: Muito simples. Meditadores ficam em cabanas com cobertura de folhas de palmeira, com homens e mulheres em áreas separadas.
— Alimentação: Comida de boa qualidade e variedade fornecida pelo templo, 2 vezes por dia, de manhã. Bebidas à tarde. Monges e noviços vão em pindapata dentro dos terrenos do templo.
— Meditação: Só meditação de grupo. Não é possível fazer um retiro individual. Aconselhável fazer uma visita de dia a um Domingo, falar com algumas pessoas e ver do interesse em integrar um retiro de grupo, ou então escrever antecipadamente para info sobre as datas convenientes para integrar um grupo. Sistema de meditação Dhammakaya, na tradição ensinada no Wat Pak Nam, tido como purificador da mente. Instruções dadas durante os períodos de meditação. Os meditadores fazem diariamente por escrito uma descrição dirigida ao monge-chefe das suas experiências meditativas.
— Rotina diária: Dia começa às 4h30; 5-6h30, cântico matinal e meditação; 6H30, fazer donativos a monges ou ajudar na limpeza da zona; 7h00, peq. alm.; 9-11h00, meditação; 11h00, almoço; 13-16h00, palestra e meditação; 16h30, bebidas; 18h30, cântico vespertino; 21h00, meditação; 21h30, deitar.
— Ordenação: pode ser solicitada (necessário falar tailandês fluentemente).
— Reservas: Conveniente.
— NOTA: O centro de informação do wat tem vídeos e livros sobre meditação e o estilo de vida no templo, e uma pequena livraria com alguns livros em inglês. O estilo deste templo é único na Tailândia (tem filiais em quase todas as grandes cidades), com grande ênfase a ser posta na recolha de fundos, semelhante ao das igrejas evangélicas cristãs.

ZONA CENTRO
WAT ASOKARAM
— Direcção: Sukumvit Rd., Samut Prakan 10280. Tel.: (02) 395-0003.
— Localização: situado a 32Km a Sul de BKK pela Highway 3).
— Acesso: Muitos buses com AC, nº7 e 8 ou sem AC, nº 25, 142, 145, vão para Samut Prakan (tb chamado “Pak Nam”). Daqui pode apanhar-se 2 buses ou um táxi (6km) para seguir até ao wat. Alguns buses vindos de BKK Eastern (EKAMAI) Bus Terminal e indo para Chonburi vão via Samut Prakan. Pedir para sair no Wat Asokaram, entre os Km 31 e 32, no Highway 3. Depois caminhar, ou apanhar um “samlor”, cerca de 1 Km para Sul.
— Dimensão: 90-140 monges; 10-15 noviços, 130 monjas; 15 laicos; 60 laicas.
— Prof.: Ajahn Tong, monge-chefe. Ajahn Bunku Anuvathano (fala bem inglês).
— Alojamento: kutis para monges e laicos, a maioria com rede mosquitos, WC (alguns estilo ocidental, outros thai), água corrente e electricidade.
— Alimentação: Boa qualidade e variedade. Monges e noviços têm uma refeição por dia; monjas e laicos comem uma ou duas vezes, na manhã
— Meditação: Anapanassati, mas pode praticar-se outra. Discursos ao fim da tarde; professores disponíveis para perguntas.
— Rotina diária: 7h15, monges vão em pindapata, dentro ou fora do templo; 8h00, A(única) refeição; 9h15, cântico matinal; 16h00, cântico vespertino; 20-22h00, cântico, discursos e meditação.
— Ordenação: Os homens podem solicitar a ordenação, aprender cânticos e as regras, e depois ser ordenados como monges. As mulheres podem também solicitar ordenação como maechee.
— NOTA: Templo construído no tempo da antiga Índia pelo imperador Asoka, o que inspirou o nome de Wat Asokaram. Ajahn Lee Dhammdharo (1906-1961), um respeitado professor e discípulo de Ajahn Mun, fundou o templo em 1955, estando o seu corpo guardado no altar em vidro do 1º andar.


BOONKANJANARAM MEDITATION CENTRE
— Direcção: Pattaya, Chonburi 20260. Tel.: (038) 231-865.
— Localização: situado em Jomtien Beach, 5Km a Sul de Pattaya. De BKK (EKAMAI), bus para Sattahip e sair em Wat Boonkanjanaram, logo a seguir ao marco quilométrico 150. Depois seguir pela Wat Boon Rd., ao longo do wat; a entrada para o centro de meditação é um pouco depois dos terrenos do wat. Se apanhar um bus para Pattaya, tome um songtaew para o centro.
— Prof.: Este é o espaço onde AJAHN NAEB (senhora, laica) mais ensinou.
— Prof. residentes: Mr. Chua Jantrupon (tail.); Miss Vitoon Voravises (tradutora) e Frank Tillius (americano residente e praticante de longo termo no centro).
— Dimensão: 5-15 monges; 5-15 monjas; 4-8 laicos
— Alojamento: Kutis individuais com redes, ventoinhas, louças, WC (thai – alguns ocidentais), água corrente e electricidade.
— Alimentação: Boa qualidade e variedade. Veg se solicitada. Comida é trazida para as kutis às 7h, às 11h e às 17h00 (pessoas nos 8 preceitos só comem as refeições da manhã. Bebida à tarde. Monges vão em pindapata.
— Meditação: Vipassana, baseada nas Quatro Bases da Atenção Vigilante, usando as técnicas ensinadas por Ajahn Naeb. Ao contrário de outros sistemas de Vipassana que começam com atenção na respiração, este método segue directamente para a atenção nas 4 Bases (4 Satipatthanas): corpo, sensação, mente e objectos mentais. O corpo é, dos quatro, o melhor objecto para o início da prática, pelas suas grosseiras, facilmente
observáveis qualidades. O propósito da meditação é destruir entendimentos incorrectos sobre a individualidade, eliminar desejos e aversões, realizar as 4 Sublimes Verdades, e pôr um fim ao sofrimento. Quando a dor é observada, a posição é mudada sendo a dor seguida até à nova posição. Com o desenvolvimento da prática, as Três Características Universais (impermanência, sofrimento, e não-individualidade) vão-se tornando mais
evidentes. Rupa e Nama (factores materiais e mentais, respectivamente) são vistos como impermanentes porque não podem manter-se iguais; são vistos como sofrimento porque a posição é sofrimento; são vistos como não-individualidade porque tudo o que é impermanente e sofrimento é sem individualidade. Com a continuação da prática, é visto com visão interior que rupa e nama são sem individualidade, não são “eu”. Quando nama e rupa são vistos com sabedoria, deixam de ser atractivos. Este é o caminho para realizar Nirvana, de acordo com a prática de vipassana. Antes de iniciar
a prática, é necessário adquirir algum entendimento teórico. O sistema aqui
desenvolvido é mais difícil que os sistemas baseados na observação da respiração. Não há meditação de grupo. Meditadores devem ser confiantes e estar motivados para obter sucesso na prática. Devem manter “nobre silêncio”, e absterem-se de ler ou ouvir rádio. Acompanhamento através de entrevistas com o professor. Os estudantes iniciandos são ensinados em conjunto e habitualmente têm entrevistas diárias no início, sendo depois mais afastadas de acordo com o professor. Embora o livro “Vipassana
Bhavana” publicado pelo centro, tenha instruções precisas, é valorizada a circunstância de se dispor de um “bom amigo” ou professor.
— Rotina diária: nenhuma excepto para as refeições (2 por dia) e entrevistas. O horário de pratica é deixado à responsabilidade do meditador.
— Ordenação: Não é possível.
— Estadia mínima: 2 semanas. Cumprimento dos 8 preceitos e o uso de trajes brancos é recomendado a meditadores de longo termo.
— Reservas: Necessário, de modo a ser preparada acomodação.


WIWEK ASOM VIPASSANA MEDITATION CENTRE
— Direcção: Tambon Ban Suan, Ampher Muang, Chonburi 20000. Tel.: (038) 283-766.
— Localização: situado nos arredores de Chonburi, na estrada para Ban Bung, num local tranquilo e sombreado.
— Acesso: Muitos buses de EKAMAI (Eastern Bus Terminal) para a viagem de 1 hora. Sair no cruzamento Ban Bung Intersection em Chonburi e caminhar ou apanhar um “samlor”
— Prof.: Phra Ajahn Asabha (myanmarense, não fala inglês mas é possível um tradutor); Phra Ajahn Charlee Jaruvanno (thai, algum inglês); Phra Ajahn Pramuan (thai).
— Dimensão: 30-60monges; 20-30 monjas; 20-30 laicos.
— Alojamento: Quartos individuais ou kutis, com rede, electricidade, WC estilo Thai, água corrente.
— Alimentação: Muito boa qualidade e variedade; monges vão em pindapata; laicos podem comer na cozinha ou levar a comida para o quarto; peq alm simples de manhã cedo e almoço no final da manhã. Laicos podem encomendar comida, incl. veg., nas lojas, para ser entregue no centro.
— Meditação: Técnica Vipassana de Mahasi. Entrevistas diárias com o professor.
— Rotina diária: Prática de meditação nos halls de meditação ou no quarto. Todos são encorajados a meditar 20 horas por dia, sem falar, sem ler e sem sair o centro durante toda a estadia.
— Ordenação: Não é possível.
— Estadia mínima: 2 semanas. Meditadores seguem os 8 preceitos, mas podem, por razões de saúde, comer depois do meio dia.
— Reservas: Recomendado; por vezes está cheio, principalmente na “estação das chuvas”.


SORN-TAWEE MEDITATION CENTRE
— Direcção: Bangkla, Chachoengsao 24110.
— Localização: de BKK, bus para Chachoengsao, quer do Northern terminal (MOH CHIT), quer do Eastern (EKAMAI). Apanhar bus com destino Bangkla. Sair cerca de 25 min depois, logo a seguir ao marco quilométrico 17, onde o bus vira à esq., no Bangkla Crossing. Atravessar a estrada e seguir pela estrada que a intersecta, durante 300m em direcção a Sul. Depois voltar à direita no sinal e mais 300m. Paisagem circundante muito atractiva.
— Prof.: Phra Ajahn Thawee, monge-chefe e uma monja ocidental ensinam ocidentais.
— Dimensão: 15-22 monges; 20-30 monjas; 40-50 laicos.
— Alojamento: kutis individuais com rede, ventoinha, electricidade, WC (novas em estilo ocid, mais velhas em estilo thai), água corrente.
— Alimentação: Boa qualidade e variedade; veg se solicitada; 2 refeições na manhã tomadas no quarto, com atenção vigilante.
— Meditação: Técnica Mahasi. Não há meditação em grupo. Entrevistas individuais diárias são consideradas essenciais, nas quais os meditadores reportam a experiência de dias anteriores e recebem instruções e orientação.
— Rotina diária: 4h00, levantar; 6h30, peq alm.; 7h30, começam as entrevistas individuais; 11h00, almoço; (comida veg. se solicitada). Durante o dia, prática individual intensiva na kuti ou próximo dela. Meditadores não devem dormir mais de 6 horas.
— Estadia: estadia mínima de 20 dias.
— Ordenação: Não é possível.
— Reservas: Necessário, para preparação da acomodação.
— NOTA: Uma manta ou um saco-cama ligeiro é necessário na estação fria. Um
quantitativo de 50 bath (US $ 2) é requerido. Meditadores observam os 8 preceitos, vestem de branco, mantêm nobre silêncio (em especial não falam das suas experiências na meditação com outros), não lêem, não escrevem nem ouvem rádio. O tempo usual de retiro é de 50 dias.


WAT SAI NGAM
— Direcção: Tambon Donmasang, Ampher Muang, Supanburi 72000. Tel.: (035) 522005
— Acesso: No BKK Northen Bus Terminal (MOH CHIT), apanhar bus para Supamburi, 100Km na direcção de Noroeste. Depois apanhar um bus local, 15km para Nordeste na estrada para Ang Thong. O Wat fica 0,5km para dentro).
— Dimensão: 150-200 monges; 15-20 noviços; 80-100 monjas; 10 laicos.
— Prof.: AJAHN DHAMMADHARO, assistido por monges sénior. Conveniente falar tailandês, embora alguns monges e monjas falem um pouco de inglês.
— Alojamento: kutis individuais em pedra ou madeira para monges, todas com electricidade e água corrente; as kutis mais recentes têm WC (thai); laicos partilham quartos ou dormitórios; monjas e mulheres laicas partilham usualmente quartos.
— Alimentação: Boa qualidade e variedade. Monges tomam o bus do templo para Supanburi, Ang Thong, ou outras cidades para irem em pindapata.
— Meditação: Técnica de Vipassana de Ajahn Dhammadharo usando movimento de mãos.
— Rotina diária: 4h00, cântico; 5h00, monges vão para pindapata no bus; 8h00, peq alm; 11h00, almoço; 14-16h00, meditação sentada e em pé; 16-17h00, meditação andante; 17hoo, bebida; 18h30, meditação sentada e em pé; 20h00, lição; 21-22hoo meditação andante. Laicos observam os 8 preceitos e vestem de branco e põem uma tira branca sobre o ombro (pode comprar-se no templo). Excepto para entrar ou sair, os residentes andam descalços em todo o lado.
— Ordenação: Pode ser solicitada para monges, noviços e maechee.
— Reservas: Não necessário.


SUNNATARAM FOREST MONASTERY
— Direcção: Ban Kroeng Kra Wia, Tambon Prang Phea, Ampher Sangkhla Buri,
Kanchanaburi 71180.
— Localização: Situado 302km a NW de BKK. Tomar comboio em BKK Noi Station ou bus no Southern ou no Southern A/C Bus Terminals, 128km na direcção Oeste para Kanchanaburi (3horas). Depois bus ou minibus para Sangkhla Buri. Pedir ao condutor para o deixar sair no Monastery, o qual fica a 174km de Kanchanaburi, entre os marcos quilométricos 32 e 33 no Highway 323, e 42km antes de Sangkhla Buri. O mosteiro fica precisamente a Este do Highway. Lindo vale de floresta, limitado por montanhas íngremes e atravessado por um rio.
— Prof.: PHRA AJAHN YANTRA AMARO (é muito respeitado pela seu metta e pela
capacidade de ensinar meditação, viaja muito, estando fora a maior parte do tempo)e monges sénior. Todos falam um pouco de inglês.
— Dimensão: 10-100 monges; 30 monjas; 5-10 laicos.
— Alojamento: kutis individuais, algumas têm rede. Comida veg. Uma refeição por dia.
— Alimentação: Comida veg de boa qualidade e variedade. Monges vão em pindapata para arroz; os laicos no mosteiro oferecem de novo o arroz e oferecem comida preparada na cozinha. Invulgar na Tailândia, o mosteiro e suas filiais só usam comida vegetariana, como parte da prática de metta.
— Meditação: Anapanasati & Metta.
— Rotina: 6h30, monges e noviços vão em pindapata de 6km; 8h30, monges e noviços vão em outro pindapata dentro do mosteiro. Laicos observam os 8 preceitos e vestem de branco.
— Ordenação: Homens praticam os 8 preceitos, aprendem a Vinaya e cânticos; quando a comunidade sente que a pessoa está preparada, pode ser ordenado como monge (não precisa de passar por noviço se tiver mais de 20 anos). As cerimónias de ordenação não têm lugar aqui; os estrangeiros são normalmente ordenados no Wat Bovorn, em BKK. As mulheres podem solicitar para ficar como maechee mas devem ser ordenadas noutro sítio.
— Reservas: Não necessário. Será de esperar sobre lotação na estação das chuvas e quando Phra Ajahn Yantra está a residir.
— NOTA: ÁREA DE MALÁRIA. Necessário o uso de redes e de repelente para mosquitos. Há uma pequena livraria com alguns livros em inglês. Monges e laicos de todas as tradições budistas são bem-vindos. Monges visitantes eu sigam estritamente a vinaya podem sentar-se com os monges residentes para comer e para os cânticos. Os monges aqui seguem estritamente a tradição da floresta; praticamente todos vão em “tudong” quando termina o retiro da estação das chuvas; alguns tomam a resolução de andar descalços durante um certo tempo. Devido à prática “tudong”, a população de monges residentes flutua grandemente.
◊ ◊ ◊

Os mosteiros filiais oferecem excelentes condições para a prática da meditação; por hábito podem acomodar pequenas quantidades de visitantes. Algum conhecimento de inglês poderá encontrar-se em Tham Wua e em Wat Sab-Chan.

— KOW KAEW SUNNATARAM fica numa ilha no Khao Laem Reservoire, situado próximo, e oferece muito isolamento. Pedir antes, no mosteiro principal, autorização para ficar.


— THAM WUA SUNNATA situa-se no Noroeste do país e tem caves e uma localização espectacular aos pés de escarpas formadas de pura pedra calcária. Direcção é: Ban Mae Su Ya, Tambon Huai Pha, Amphoe Muang, Mae Hong Son, 58000 (fica 45km a Norte de Mae Hong Son; depois ir 1,5km para dentro, através de caminho sujo ou trilho.


— WAT SAB-CHAN (Sunnataram). Fica no Leste do país, num vale circundado por árvores de fruto e encostas florestadas, 27km a Oeste de Chantaburi; depois 2km para dentro por estrada. Direcção: Tambon Na Yai Arm, Amphoe Tha Mai, Chantaburi 22160.

— DHAMMALEELA MEDITATION CENTRE, rodeado por um campo de golf, 40km a Nordeste de BKK. Direcção: Klong 14 Rangsit, Tambon Bang Pla Kot, Amphoe Ongkharak, Nakhon Nayok 26120.


WAT SANGHA THAN
— Direcção: Tumbon, Bangphai, Amphoe Muang, Nonthaburi 11000.
Tel.: 447-0800/0799. Fax: 447-2363.
— Prof.: Ven. Ajahn Sanong Katapunyo

ZONA NORDESTE
WAT NONG PAH PONG
— Direcção: Non Peung, Ban Gor, Amper Warin, Ubon Ratchathani 34190.
— Localização: situado 12km a Sudeste de Ubon Ratchathani ou 10km a Sudeste de Warin. Em Ubon pode apanhar-se um bus cor-de-rosa até ao seu terminus, em Ban Gor. Depois andar,ou apanhar um “tuk-tuk”, 2km na direcção Oeste até ao mosteiro.
— Prof.: É o mosteiro fundado por AJAHN CHAA. Prof residente é Ajahn Lecam. Instrução em tailandês, por vezes monges ocidentais ou thai podem traduzir.
— Reservas: Não necessário.
— NOTA: Ajahn Chaa praticou durante alguns meses com Ajahn Mun.


WAT PAH NANACHAT
— Direcção: Ban Bung Wai, Amper Warin, Ubon Ratchathani 34310
— Localização: situado nos arredores da cidade de Ubon Ratchathani, 600km a Nordeste de BKK.
— Acesso: vários comboios rápidos fazem o serviço diário a partir de BKK, incluindo um Express nocturno (camas confortáveis em 2ª classe). Muitos A/C buses com encostos reclináveis partem da BKK Northern (MOH CHIT) Bus Terminal para viagens durante o dia ou durante a noite. Há também um voo diário de BKK para o aeroporto na parte Nordeste de Ubon Ratchathani).
De Ubon, ir 12km na direcção Sudoeste, para Ban Bung Wai no Highway para Si Saket; depois seguir sinais e ir para Oeste 1km através de campos de arroz em direcção à floresta e ao wat. Também a partir de Ubon, pode apanhar-se um SI SAKET bus e pedir ao condutor para deixar sair no Wat Pah Nanachat. Os comboios terminam em Warin (BKK-Ubon=12horas). Tuk-tuk ou táxis disponíveis nas estações de bus, de comboio, ou aeroporto.
— Prof.: É um mosteiro filial de AJAHN CHAA, expressamente criado para ocidentais. Ajahn Passano, responsável (canadiano), Ajahn Jayasaro, vice-responsável (inglês), e monges sénior falam com laicos de manhã e no resto do dia instruem monges e noviços.
— Dimensão: 15-20 monges e noviços; 5-10 laicos.
— Alojamento: monges, noviços e homens em kutis bem afastadas, a maioria com caminho d meditação. Sanitários comuns (maioria estilo thai) . Banho em tanques ou chuveiros. Homens em visita curta ficam num dormitório por cima da cozinha. Mulheres têm um edifício próprio com quartos individuais (podem ser partilhados) no 1º andar e WC ocidentais no r/c. Sanitários e os grandes edifícios têm geralmente electricidade e água corrente (as kutis não).
— Alimentação: Comida de muito boa qualidade e variedade, incluindo pratos veg. Monges, noviços e pakows vão em pindapata para o arroz (é oferecido arroz forte, branco e, habitualmente, castanho); comida é doada ou cozinhada na cozinha. Todos aderem ao estilo de vida “uma refeição por dia”; homens e mulheres laicos com cabeça rapada comem com os monges. Bebida e doces usualmente oferecidos à tarde.
— Meditação: Não há instrução formal. Professores disponíveis para perguntas, em inglês. Não há uma técnica dominante. Cada um usa a técnica que entender. É frequente o uso da atenção na respiração.
— Rotina: Reuniões de grupo e períodos de trabalho são considerados tão importantes como meditação formal no mosteiro (laicos são convidados a juntarem-se às actividades). 3h00, levantar; 3h30-5h15, cântico e meditação; 6-7h00, varrer ou ajudar na cozinha (monges vão em pindapata); 8h00, oferenda de comida aos monges; 8h30, A refeição, seguida de limpezas; 15-17h00, período de trabalho de puxar água, limpar edifícios e outros projectos; 17h00, bebida na kuti do monge responsável; 19-21h30, meditação, cântico e palestra (ou leitura); o resto do tempo é livre para a prática individual. Este horário muda durante retiros e dias santo(onde a comunidade e alguns visitantes assumem a atitude de não se deitarem durante toda a noite até às 5h00 da manhã).
— Ordenação: O wat é, antes de mais, um centro de treino para estrangeiros se prepararem para ser ordenados. O interessado torna-se inicialmente um pakow (anagarika), vestindo de branco e usando “escudela”; passados três meses pode “seguir em frente” sendo ordenado noviço e vestir mantos açafrão. A ordenação completa pode ter lugar um ano depois. Uma pessoa que pondere a ordenação, tem vantagem em residir no Wat Pah Nanachat, seja ela aqui ou noutro local, já que sem falar tailandês fluentemente, não será fácil encontrar na Tailândia esta combinação de treino intensivo com facilidade de comunicação.
— Reservas: Não deixe de escrever antecipadamente a solicitar estadia.




WAT PAH WANA POTIYAHN
— Direcção: Dtumbol Nikom, #1, Amper Phibun Mangsahan, Ubon Ratchathani 34110
— Localização: situada numa península no lado Nordeste do Reservatório Sirindhorn, cerca de 70km a Este de Ubon Ratchathani e a apenas 5km da fronteira com o Laos. A partir de Ubon apanhar bus para Phibun Mangsahan. Depois um “songtaew” para Nikom (20km) e pedir para sair no cais dos barcos para Wana Potiyahn. Pedir para ser levado para o outro lado do lago até ao mosteiro (dar 20 bath de gorgeta aos rapazes do barco), e seguir uma estrada por aprox. 750m até à área central onde a língua é a tailandesa.
— Prof.: O monge responsável, Ajahn Puriso (australiano), abandonou as vestes monásticas. O local poderá, eventualmente, ter deixado de ser conveniente para ocidentais.


WAT PAH BAN THAT
— Direcção: c/o Songserm Service, 89 Phosi Rd., Udon Thani 41000
— Localização: Situado 564km a Nordeste de BKK e 16km a Sudoeste de Udon Thani
— Acesso: apanhar um songtaew, bus local ou táxi de Udon Thani na direcção Sul (8km) para Ban Gum Kling. Depois tomar a direcção de Sudoeste (7km) até Ban That e continuar 1km até ao Wat. Alguns songtaew vão directos a Ban That a partir de Udon, e poderão, inclusive, deixá-lo à entrada do Wat. Diversos comboios rápidos fazem serviço diário entre BKK e Udon, incluindo um expresso nocturno (camas confortáveis em 2ª classe). A partir de BKK Northern Bus Terminal (MOH CHIT) muitos AC buses (com encostos reclináveis) fazem o percurso durante o dia ou a noite. Udon Thani está situada a 564km a Nordeste de BKK. Ubon Ratchathani, bem como as outras cidades do nordeste, tem boas ligações de bus com Udon Thani).
— Dimensão: 35-45 monges; 5-30 laicos
— Prof.: É o mosteiro de AJAHN MAHA BOWA, que faleceu no início de 2000.
O vice responsável era, à altura, Ajahn Pannavado (inglês).
— Alojamento: Somente para curtos períodos de aprox. 2 semanas. Kutis bem
afastadas ou pequenas plataformas alpendradas na floresta. Algumas das kutis com WC ou, em alternativa, usam-se poços para o banho; mulheres ficam numa área separada do wat. Retretes estilo thai; Como regra não há água corrente nem electricidade.
— Alimentação: Muito boa comida da zona do Nordeste e de BKK. Monges e noviços vão em pindapata em Ban That, depois comem uma refeição. Comida adicional chega da cozinha e dos visitantes. Os laicos residentes podem comer no edifício principal com os monges e noviços. As mulheres laicas comem na área feminina. Bebidas e doces à tarde.
— Meditação: Anapanasati e repetição mental de “Buddho”, “Dhammo”, e “Sangho”, ou concentração numa parte do corpo, são as técnicas usadas para acalmar a mente. A prática de samadhi tem 3 níveis: o primeiro nível é caracterizado por curtos períodos de calma; o segundo, tem imagens mentais (nimittas) durante períodos mais longos; o verdadeiro nível de samadhi – o nível profundo que é necessário alcançar – é o terceiro. Este é um dos estados mais felizes que é possível alcançar. A partir deste nível de concentração, a pessoa sai e dirige a mente para a contemplação do corpo. “Auto-centragem”, minimização de convívio, e observância das regras dos monges e do templo, são enfatizadas na prática.
— Rotina: A comunidade está reunida, para além do pindapata e da refeição na manhã, nas actividades de limpeza interna e em redor do edifício, na parte da manhã, e nas de varrer e puxar água do poço, na parte da tarde. Cada pessoa pratica por sua conta na maior parte do dia.
— Ordenação: Não é possível
— Reservas: Não necessário. Evite chegar em dias santos (uposatha) ou na “estação das chuvas” (vassa).
— NOTA: A popularidade e reputação de Ajahn Maha Bowa e do seu wat, juntamente com a limitação de espaço, tornam difíceis estadias superiores a 2-3 semanas, tanto para laicos como para monges. Ajahn Maha Bowa praticou durante 9 anos com Ajahn Mun; mais tarde escreveu uma biografia do seu professor.


WAT HIN MAAK PENG
— Direcção: Tambol Pra Putabat, Amper Si Chiangmai, Nong Khai 43130.
Tel.: (042) 451110.
— Localização: Situado na margem do rio Mekong, 655km a Nordeste de BKK.
O templo fica 68km a Oeste de Nong Khai, a capital da província.
— Acesso: a cidade de Si Chiangmai, 18km a Este do wat, tem ligações de bus com Nong Khai, Udon Thani, Kon Kaen, Nathon Ratchasima e BKK. Há songtaews que vão para o Wat a partir de Si Chiangmai. Outros songtaews e bus locais podem deixá-lo à porta. Depois caminhar 0,5km para dentro. O bus turístico nocturno da empresa Barmee Tour faz todo o percurso desde Bkk até ao wat se houver pelo menos 8 pessoas com destino ao wat. Há também comboios para Nong Khai ou voos para Udon Thani.
— Prof.: É o mosteiro de AJAHN LUANG POO TATE. O vice-responsável e outros
monges falam inglês;
— Dimensão: 35-50 monges; 6-20 monjas; 15-30 laicos.
— Alojamento: Monges em kutis individuais, a maioria com rede, electricidade, com WC privativo. Laicos que vêm para meditação em quartos partilhado (edifícios separados para homens e mulheres). Os homens podem pedir para ficar numa kuti na área dos monges.
— Alimentação: Comida estilo BKK de muito boa qualidade. Monges vão em
pindapata para arroz; o resto da comida vem da cozinha. Os laicos comem o
que sobra da refeição dos monges.
— Rotina: 3h00 para prática individual de meditação; 6h30, pindapata; 8h00, refeição para monges, noviços e pakows (os laicos sentam-se do lado oposto e entoam cânticos); 9h00, refeição para laicos; 15h00, período de trabalho (varrer, etc.); 16h00, bebidas; 16h30, período de trabalho (limpeza dos edifícios principais); 19h00, cânticos; 20h-22h00, meditação.
— Meditação: Anapanasati, com “Buddho”. Mas cada um pode seguir o seu próprio sistema de meditação.
— Ordenação: Estrangeiros são, por hábito, ordenados no Wat Bovorn, em BKK. Aqui, só se falarem tailandês fluente. Procedimento: (1) pedir permissão a Luang Poo Tate, (2) após ser-se aceite como laico, aprendem-se os cânticos e as regras de conduta, (3) uso de vestes brancas do pakow, continuação do treino e aprendizagem do procedimento da ordenação, (4) Cerimónia de ordenação. A duração do treinamento depende da rapidez da aprendizagem. Em média para os tailandeses é de cerca de 1 ano.
— NOTA: Luang Poo Tate praticou durante 9 anos com Ajahn Mun. A prática de
tudong é aqui comum à quase totalidade dos monges. ÁREA DE ALGUMA MALÁRIA.
Necessário todo o cuidado com o uso de repelentes e redes de manhã à noite.
Laicos observam os 8 preceitos. É conveniente, para as mulheres laicas, falare um pouco de tailandês.

ZONA NORTE
Nos últimos anos a província de Chiang Mai tem assistido à multiplicação de centros de meditação e de centros de medicinas alternativas, em resposta ao crescente número, não só de jovens tailandeses que redescobrem a sua própria tradição, como de visitantes ocidentais que buscam, num ambiente secular natural e intocado, bases para o seu progresso espiritual e para um relacionamento holístico com a realidade, face aos desafios que lhes são colocados hoje em dia pelas sociedades modernas em que vivem.
Para Massagem Tailandesa Tradicional, Chiang Mai é uma referência. Cursos regulares de 15 dias têm lugar: (1) no “Traditional Hospital” situado na cidade velha Chiang Mai (old Chiang Mai city), e (2) no “Aree Sayaluck Thai Massage” situado em 42/2, Moon Muang Road, Soi9, Chiang Mai 50200.
Outro local conceituado é em BKK, no Wat Po. A cidade de Chiang Mai situa-se 500km a Norte de BKK e é a cidade mais importante do norte do país, estando ligada a BKK (e a outros grandes centros) por frequentes buses, comboios e voos aéreos.


WAT UMONG
— Direcção: Tambon Suthep, Amper Muang, Chiang Mai 50000. Tel.: (053) 277248 (somente entre 8h30 3 16h00).
— Localização: Fica 3,5km a Oeste de Chiang Mai.
— Acesso: o melhor é apanhar um tuk-tuk ou bicicleta. Ou então apanhar o bus citadino nº 1 e seguir 2,5km na direcção Oeste, pela Suthep Road até Wang Nam Kan; depois seguir os sinais para Sul e andar 1km para o wat.
— Dimensão: 45-75 monges; 8 monjas; 10 laicos.
— Prof.: Phra Santi (alemão) foi para a Austrália. As condições poderão ser agora difíceis para ocidentais.
— Alojamento: Kutis individuais com redes e electricidade, algumas com WC (estilos thai ou ocid.) e água corrente.
— Alimentação: Monges vão em pindapata. Laicos podem arranjar comida nas lojas próximas ou comer o que sobrar dos monges.
— Rotina: Campainha toca às 4h00. Estando a disciplina, prática e horário por conta da pessoa, a motivação pessoal é especialmente importante.
— Meditação: Anapanasati, como em Swan Mokkh.
— Ordenação: Possível tanto para duração curta como longa. Primeiro há uma
entrevista com o monge responsável e, se aprovado, o candidato treina-se durante pelo menos 1 mês no wat, até à ordenação.
— Reservas: Sim, porque há muito poucas kutis para laicos.


WAT RAM POENG
— Direcção: Tambon Suthep, Amper Muang, Chiang Mai 50000. Tel: (053) 278620.
— Localização: fica 4km para Sudoeste de Chiang Mai.
— Acesso: O melhor é apanhar um tuk-tuk ou uma bicicleta. Ou o bus citadino nº 1 ou songtaew para Oeste, 2km na Suthep Road. até Phayom Market (também chamado Suthep); depois ir na direcção Sul, 2km até ao wat (pode apanhar tuk-tuk ou um songtaew). O Wat Umong fica apenas a 1km na direcção Noroeste.
— Dimensão: 60-70 monges; 20 noviços; 60-70 monjas; 40-60 laicos (cerca de
metade são estrangeiros).
— Alojamento: Quartos individuais com electricidade e WC estilo thai e água corrente.
— Alimentação: Adequada. Comida veg. se solicitada. É servida uma papa às 6h00 e a refeição principal é às 10h30.
— Meditação: Técnica Mahasi, 20 horas por dia. Entrevistas diárias. Vice-responsável e o assistente falam inglês. Cursos individuais de 26 dias, desde 1975. Pequena biblioteca. Algum convívio é permitido, desde que não prejudique a meditação de outros.
— Ordenação: Pode ser solicitada por meditadores empenhados desejando tornar-se monges ou monjas.
— Reservas: Necessário escrever antecipadamente (frequentemente cheio). O Wat é popular entre ocidentais bem como entre tailandeses. Especialmente ocupado na estação turística (Outubro a Maio) e na estação das chuvas (com início na segunda metade de Julho).
— NOTA: Um curso tem 26 dias; é melhor fazer uma estadia de um mês. Por a prática ser individual, em qualquer altura se pode chegar e começar; períodos inferiores de meditação são possíveis se houver lugar. Observação dos 8 preceitos e vestir de branco.


THAM TONG MEDITATION CENTRE
— Direcção: Tambon Ban Pae, mper Chom Thong, Chiang Mai 50240
— Localização: Situado 86km a Sudoeste de Chiang Mai.
— Acesso: Apanhar um bus de Chiang Mai para Hot; Pedir para sair na paragem para Tham Tong (23km depois de Chom Thong, entre os marcos quilométricos 82 e 83). Seguir pela estrada de cascalho 1,5km na direcção Oeste até Ban Pae; depois virar à esquerda e andar 2km numa pequena estrada pavimentada até ao término no centro de meditação.
— Dimensão: 7-40 monges; 15-25 monjas; 10-40 laicos
— Prof.: Ajahn Suchin Vimalo, monge responsável (tailandês). O prof. não fala inglês. Necessário saber um pouco de tailandês. Algumas monjas falam inglês mas poderão não estar disponíveis, especialmente para visitantes masculinos.
— Alojamento: kutis individuais (na maioria dos casos) ou quartos, a maior parte com electricidade, redes, retretes thai, água corrente (banho a partir de tanques).
— Alimentação: qualidade adequada; umaq refeição às 8h30 de comida oferecida pelo centro. Nos primeiros dias de estadia, deverá ser oferecida também uma papa de manhã cedo. Monges, noviços e monjas comem da “padela” mas sem ir em pindapata. Os laicos podem comer com os monges; monjas e mulheres laicas comem conjuntamente na sala adjacente.
— Meditação: Vipassana, técnica Mahasi. O centro é uma filial do Wat Maha That, em BKK, sendo usado o mesmo sistema. Pode no entanto seguir-se um sistema próprio.
— Ordenação: Não é possível para noviços ou monges. Mulheres podem ordenar-se como “maecheea”. Este centro parece ser um local especialmente conveniente para uma vida de monja.
— Reservas: Recomendado. Frequentemente cheio durante a estação das chuvas
(vassa) e em tempo de outros retiros.


WAT HIN MARK PENG
— Localização: Sri Chiang Mai, Nongkhai
— Este é o mosteiro de AJAHN THATE DESARANSI.


WAT TUM PAH BLONG
— Localização: Amphoe Chiang Dao, Changwat Chiang Mai.
— Prof.: Ajahn Looang Boo Sim Buddhacaro.


CHIANG MAI MEDITATION CENTRE
— Localização: Karaaye Pagoda Rd., Myangone Township, Y.G.N.


ZONA SUL
SWAN MOKKH
— Direcção: Amper Chaiya, Surat Thani 84110
— Localização: fica cerca de 640km a Sul de BKK e imediatamente a Oeste do
Asian Highway (Highway 41). A Cidade mais próxima é Surat Thani, a 53km
para Sudeste.
— Acesso: Em BKK, apanhar qualquer comboio que se dirija para Sul (10h) e sair em Chaya, aprox. a 40km a Norte da estação Phun Phin de Surat Thani. Depois songtaew para Swan Mokkh. Buses AC e não AC partem do Southern Bus Terminal (para viagens de noite e de dia respectivamente) na Buddha-Monthon Rd. Em Thonburi. Apanhar bus para Surat Thani ou Nakhon Si Thammarat e pedir para sair em Swan Mokkh (eles ou deixam sair precisamente em frente – marco quilométrico 17 –, ou na estação Shell, 1km mais a norte. Para Swan Mokkh há ainda buses a partir da Phun Phin Street, bem como buses de hora a hora em Surat Thani.
— Dimensão: 40-70 monges; 15-25 monjas; 15-20 laicos thai e 15-25 laicos
estrangeiros. Estes números aumentam em muito durante os retiros e conferências.
— Prof.: É o mosteiro de BUDDHADASA BHIKKHU, por muitos considerado como a
principal figura da vaga de recrudescimento do Budismo e da meditação budista na Tailândia, desde Ajahn Mun, nos finais do séc. XIX. O prof. medit. é Ajahn Poh (thai e responsável do mosteiro). Para estrangeiros, a língua usada é o inglês.
— Alojamento: Durante retiros, no International Dhamma Hermitage, os meditadores têm quartos pequenos (edifícios separados para homens e mulheres). O banho é estilo thai, de tanques; retretes, estilo thai. Visitantes em outros períodos ficam em Swan Mokkh, os homens em pequenos dormitórios, as mulheres em quartos ou dormitórios. Monges ficam em kutis individuais espalhadas pela floresta ou em dormitórios para monges, se não houver kutis disponíveis (frequente). Maioria dos edifícios e kutis têm electricidade.
— Alimentação: Laicos têm 2 refeições vegetarianas em cozinha estrangeira. Monges comem 1 ou 2 vezes por dia a partir de pindapata ou providenciada pela cozinha, normalmente não vegetariana.
— Meditação: Anapanasati. Os novos estudantes começam por adquirir algum
conhecimento teórico de base. Instrução formal somente durante os retiros mensais de 10 dias (1-10 de cada mês). O estudante tem de se registar com 1 ou 2 dias de antecedência. Os retiros têm lugar no International Dhamma Hermitage, 1,5km a Este de Swan Mokkh. Não é aconselhável chegar a Swan Mpkkh durante os períodos dos retiros de 10 dias, pois muito dificilmente serão os visitantes autorizados a ficar.Por isso, chegue depois do 11º dia.
— Rotina: Horários dos retiros variam consoante os professores, mas a hora de levantar é 4h00; 8h00, peq alm; 12h30, almoço; Entre retiros, o horário típico é: 4h00, levantar; 5h00, meditação; 6h00, ioga ou outro exercício (opcional); 8h00, peq alm; 9h00, tarefas limpeza, etc; 11h30, meditação; 13h00, almoço; 16h30, meditação; 17h30, bebidas; 19h00, palestra (cassete ou falada); 20h00, meditação; 21h00, prática individual; 22h00, apagar das luzes.
— Ordenação: Possível para homens com um interesse profundo em ser ordenados e em praticar no sistema de Swan Mokkh. A pessoa deve comprometer-se com prática de longa duração (pelo menos 3 anos). O treino oferecido dura cerca de 10 anos. Normalmente a pessoa treina-se como laico por 3 meses ou mais, depois como noviço por 6 meses ou mais antes da ordenação completa. As cerimónias de ordenação têm lugar noutro templo.
— Reservas: Não escrever. O registo tem de ser feito pessoalmente.
— NOTA: Um outro mosteiro de floresta com uma área de aprox. 12ha está situado em frente ao Hermitage. Aqui, monges e laicos estrangeiros vêm para estudo e prática de longa duração na tradição Swan Mokkh. A língua falada é o inglês.
ESTE LOCAL NÃO É UM CENTRO DE MEDITAÇÃO. É UM “JARDIM DE LIBERTAÇÃO”,
UM LUGAR PARA ESTUDAR E PRATICAR O DHAMMA DE UMA MANEIRA HOLÍSTICA.


WAT KOW THAM INTERNATIONAL MEDITATION CENTRE
— Direcção: Abbot, Wat Kow Tham, Koh Pha-Ngam, Surat Thani 84280
— Localização: Koh Pha-Ngan, uma idílica ilha com muitas praias fica um pouco a Norte de Koh Samui, no golfo da Tailândia. Barcos diários ligam as duas ilhas e Surat Thani. Há um voo diário entre BKK e Koh Samui; e muitos comboios, buses e ligações aéreas ligam Bkk (e outros centros) a Surat Thani. A partir de Surat Thani, via Koh Samui, o barco chega a Tong Sala. Apanhar um táxi ou um “songtaew” e seguir 4km até ao cruzamento para o Wat Kow Tham. Depois siga para o interior 1km numa estrada íngreme até ao wat.
— Dimensão: 2-5 monges; 4-6 monjas; Steve e Rosemary são residentes.
— Prof.: Steve & Rosemary Weissman
— Alojamento: Dormitórios simples e alguns quartos partilhados. Electricidade, WC estilo thai, água corrente.
— Alimentação: Apetitosa comida tailandesa. São servidas 2 refeições de manhã. Um jantar leve está disponível durante os retiros; bebidas quentes são servidas à tarde entre períodos de retiros. Alguma comida não veg pode ser servida entre retiros.
— Meditação: Técnica Mahasi. Quase todos os meses, retiros de 10 dias que
decorrem aprox. na parte central do mês.
— Rotina: Dia começa às 4h00 e é largamente devotado (em retiros) a períodos de meditação sentada, andante e de pé. Um exercício matinal ajuda à atenção vigilante no corpo e a melhorar a flexibilidade. Os professores dão palestras de manhã e à tarde. Espera-se de todos que mantenham nobre silêncio e cumpram as regras. Os visitantes são solicitados a atenderem 3 períodos de meditação; entre retiros, um período de trabalho e as refeições.
— Ordenação; Não é possível.
— Reservas: Escrever é uma boa ideia para obter datas de retiros e informação para registo. Há também o caso de o centro fechar quando, ocasionalmente, tem lugar um retiro monástico.


WAT THAM SUA
— Localização: Krabi Province
— Acesso: Qualquer bus entre Hat Yai (ou Trang) e Krabi passa na paragem do wat. A partir de Krabi, songtaews e bus locais levam-no à paragem do Wat, a partir da qual, poderá caminhar ou apanhar uma motorizada-taxi até ao wat. Um songtaew pode ser alugado para acesso directo ao wat.
— Prof.: Este é o mosteiro de AJAHN JUMNIEN, um dos maiores professores actuais.
— Alojamento: Dificuldades com o alojamento e com a língua. Se possível levar um tradutor.
— NOTA: Steve & Rosemary Weissman, professores do Wat Kow Tham International Meditation Centre, visitam Ajahn Junmien regularmente e consideram o seu conselho de grande utilidade. Eles também aconselham meditadores viajantes a irem ao Wat Tham Sua e a visitá-lo. É de esperar que haja alguém capaz de traduzir, embora não possa haver uma certeza.